Sobre mitos trazidos à baila na atual campanha eleitoral (i): uma introdução

Não deve ser novidade para ninguém que o facebook não tem memória. Nele, tudo o que dizemos hoje será facilmente esquecido amanhã. Face a isto, não é de hoje que defendo a utilização de blogs como backup do facebook, para conferir alguma permanência ao que por vezes dizemos, no calor das discussões, em redes sociais

Como agora. Nesta época de paixões políticas exacerbadas, tenho deixado meu querido blog meio abandonado. Então, copiarei aqui os “textões” que, desde hoje, me comprometi a publicar no face diariamente até o segundo turno destas eleições. Se o Haddad for o próximo presidente, me regozijarei secretamente pela campanha que empreendi; caso contrário, a inutilidade de minhas postagens na rede permanecerá como uma lição a ser por mim apreendida.

Eventualmente, compilarei, abaixo das postagens originais, os threads de comentários sob as mesmas – pois, em redes sociais, discussões ensejadas são, por definição, mais interessantes ou, pelo menos, mais didáticas do que as postagens que lhes dão origem.

Então, sem mais delongas, após as três estrelinhas, a postagem original da série prometida.

* * *

Até aqui me abstive de usar o facebook para fazer política. Agora é diferente. Para impedir uma catástrofe iminente, Haddad precisa conquistar um ponto percentual por dia. Não é pouco. Por isto, mais do que nunca, prezo a existência, que sempre defendi, de membros do espectro ideológico oposto em minha timeline. Até o segundo turno, metade das minhas falas serão a eles dirigidas no intuito de derrubar mitos que dão sustentação às teses de que 1) o #elenão poderá redimir a nação e 2) o PT é intrinsecamente maligno e, como tal, responsável por tudo o que de ruim aconteceu por aqui nos últimos anos.

A tarefa, para quem quer que se identifique minimamente com a justiça social e as liberdades democráticas (principalmente as das minorias que estão na mira), não é nada fácil. Então, dedicarei a outra metade de minhas intervenções a conversar com likeminded people sobre como “converter” aqueles seduzidos pelo discurso de direita.

Estas eleições, mais do que quaisquer anteriores, estão se definindo a partir da campanha na internet. O que não deixa de ser um avanço, i.e., com as falas distribuídas (narrowcasting) influenciando muito mais do que qualquer propaganda – incluindo debates ! – veiculada nos grandes meios (broadcasting). E, nessa guerra, vale tudo. Fake news e memes rasos, inclusive. Se quisermos um país melhor daqui prá frente, temos que ocupar este espaço. Então, abracem eleitores do #elenão todos os dias (pois xingá-los só os encherá de razão…) – e, embora eu não seja nem petista nem tampouco religioso, jamais acreditei tanto na máxima ” – Eles não sabem o que dizem ! ”

O que significa ser de direita ou de esquerda no Brasil hoje ?

esquerda x direita 2

Lancei esta pergunta faz poucos dias. Primeiro, entre amigos lá em casa. Depois, no facebook. Em casa, não tive resposta. No facebook, colhi, inclusive, dois textões, de proporções enormemente maiores do que minha provocação, um deles junto com um video de Olavo de Carvalho, cuja reputação sempre conheci mas em cujo discurso confesso jamais ter prestado antes qualquer atenção.

Nos primeiros minutos do vídeo (que, confesso, desisti de ver até o fim), Olavo mistifica, definindo, em política, a direita como a experiência, como aquilo que é conhecido, e a esquerda como o experimentalismo, para em seguida proclamar seu repúdio a todo pensamento revolucionário, inventariando em favor de sua posição uma extensa lista de genocídios e assassinatos cometidos por governos revolucionários.de esquerda. Não me dei, no entanto, por satisfeito com sua definição.

A tragédia da desilusão nacional com o PT, sentida por muitos e minimizada por outros tantos, se deve, principalmente, ao ruir do discurso de esquerda que levou o partido ao poder nas últimas décadas. Mas vejamos por partes.

Assumidamente ou não (pois a verdadeira índole de todo interesse político é por vezes velada), apoiadores de candidatos ou partidos reconhecidos como de direita sempre defenderam o direito ao poder do capital empreendedor enquanto seus opositores de esquerda reclamavam, acima de tudo, mais justiça social.

Só que, no Brasil dos governos de Lula e Dilma, se institucionalizou (ou, pelo menos, começou a ser apurada) a corrupção dos poderes pelas grandes empreiteiras. Com isto, grupos oligárquicos (acionistas majoritários) se tornam os maiores beneficiários da realização de obras de indiscutível (ou mesmo discutível) alcance social. In short, se dá aos ricos em nome dos pobres, numa espécie de complexo de Robin Hood ao contrário – a tragédia do PT sendo, neste caso, tolerar sob seu manto o mesmo tipo de comportamento corrupto que critica em seus predecessores.

Com tantos agrados de empreiteiras a agentes da pirâmide administrativa custeados com recursos surrupiados ao bem comum – é, pois, no mínimo acintoso ver políticos e governos manchados por esse tipo de escândalo de corrupção sustentar qualquer discurso em favor da justiça social, como muitos (praticamente todos) ainda insistem em fazer.

E o que é justiça social ? Distribuição de renda e igualdade de oportunidade, a meu ver. Duas condições, aliás, frequentemente atropeladas pela voracidade do capital que move os interesses de direita. Estou enganado ?

* * *

Grata surpresa tive, durante a por vezes tediosa tarefa de procurar figuras para os posts (Milton diz que ajudam muito na divulgação), ao topar com uma charge de 2012 do querido Latuff que ilustra o que falo de modo exemplar.

 

Pelo partido se conhece o tamanho do ladrão ?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Me confidenciou certa vez um amigo, cujo nome não revelarei nem sob tortura, que o PDT era um partido de pequenos ladrões – pois, onde quer que assumisse o poder, imediatamente sumiam coisas como máquinas de escrever em repartições.

Sabemos, ao mesmo tempo, que a elite da rapinagem nacional (refiro-me, é claro, à turma das contas suíças) há muito já superou o estágio do apego a bens materiais, preferindo a discrição e a flexibilidade do dinheiro eletrônico internacional.

Ironicamente, Lula foi pego por causa de seu persistente apego a coisas palpáveis, como imóveis e objetos que, para serem mantidos longe da vista de bisbilhoteiros, precisam ser guardados em depósitos e cofres.

Espero que, na continuidade das investigações da Lava Jato, não usem isto como desculpa pela maior morosidade no rastreamento dos capitais voláteis do que dos agrados acumulados pelo até então bastião moral do PT durante um par de mandatos presidenciais.