A arte da discórdia

As redes sociais vem se tornando cada vez mais o lugar por excelência para o ódio. Fraturas maniqueístas entre bons e maus, mocinhos e bandidos e tantas outras que podem ser resumidas como os que concordam comigo e os outros que de mim discordam cada vez mais determinam a adição e a exclusão de amigos e seguidores – resultando, na maioria das vezes, em bolhas nas quais likeminded people chovem no molhado reforçando convicções próprias e troçando ou trolando membros de campos ideológicos opostos. Como ação persuasiva e/ou transformadora, tal sorte de interação não passa, portanto, de uma colossal perda de tempo.

Justamente no duplo intuito de refinar minhas posições e, ao mesmo tempo, tentar influenciar aqueles que pensam de modo diferente, mantenho, entre meus interlocutores virtuais, muitos que assumem posições diversas ou mesmo diametralmente opostas às minhas, por vezes até se comportando como trolls, em questões tanto políticas como estéticas. Mas só isto não é suficiente. Pois, para se lograr estabelecer um diálogo minimamente proveitoso com campos adversários, é preciso aderir a um conjunto bem específico de práticas e princípios, do qual tratarei neste texto.

* * *

Nativos digitais começam a bater boca (devo dizer bater teclas ?) na web muito antes de terem experimentado a dinâmica de uma discussão presencial. Entendemos, no entanto, que debates cara-a-cara possuem uma inegável função formativa no que tange a duas regras pétreas que deveriam nortear qualquer embate verbal, a saber,

jamais falar mais alto do que o outro; e

jamais interromper uma fala do outro antes que ele lhe tenha passado a palavra.

Os dois expedientes acima, que podem ser agrupados sob o pobre expediente de tentar ganhar uma  discussão “no grito”, são, lamentavelmente, bastante comuns. Examinemos, pois, um pouco melhor cada um deles.

O erguimento de uma das vozes num debate é uma clara tentativa de fazer prevalecer um argumento por meio do silenciamento, relativo ou absoluto, da outra. Em ambientes virtuais ou editoriais, equivale à utilização, por uma das partes, de canais aos quais tenha acesso privativo ou preferencial, tais como blogs, colunas de opinião ou páginas editoriais. Até mesmo no contexto mais horizontal de perfis em redes sociais, a exclusão de comentários indesejáveis ou o bloqueio de interlocutores configura o mesmo tipo de silenciamento de adversários, por permitir que a voz do dono de cada perfil reine absoluta.

Felizmente, há um antídoto contra estas práticas supressoras, conhecido como direito de resposta, segundo o qual deve ser assegurado a quem quer que se sinta atingido ou ofendido por algo que tenha sido publicado em qualquer canal com alguma audiência a oportunidade de se manifestar livremente no mesmo espaço em sua própria defesa. Grande parte do prestígio e credibilidade de um meio advém de sua política de franquear o próprio espaço à difusão de contraditórios.

Já os nodos de alternância de vozes em um discurso são essenciais para a compreensão do mesmo, independentemente da extensão de cada fala. Isto por que, tipicamente, argumentos defendidos por bons debatedores são compostos por vários silogismos encadeados. Logo, interromper uma fala sob qualquer pretexto é, portanto, um violento atentado à ética do bom debate.

É bem verdade que, diante de oradores mais prolixos, um oponente arguto tende a se impacientar a cada falsa premissa proferida. É nessas ocasiões que muitos irrompem intempestivamente em meio a falas não concluídas, deixando quem estava com a palavra perplexo, quando não ultrajado. Em sua versão jurídica, amplamente difundida pelo cinema, tais interrupções assumem invariavelmente a forma da interjeição “Eu protesto, meritíssimo !”

Para prevenir tais incidentes lógicos, recomendamos aos mais afoitos o uso sistemático de blocos de notas, onde todas as objeções podem ser cuidadosamente anotadas para utilização em falas futuras, bem mais estruturadas e, portanto, eficazes.

* * *

Outra regra de ouro do bom debate é

jamais rebaixar um adversário diante de uma audiência, desviando a atenção da mesma de seus argumentos por meio de acusações pessoais conhecidas como ataques ad hominem.

É quando se tenta desqualificar as ideias de outrem por meio de afirmações tais como “fulano é um mentiroso” ou “beltrano só diz merda”. Ataques ad hominem também são conhecidos como a falácia do envenenamento do poço.

A falácia do envenenamento do poço é tão ineficaz quanto inócua. Inócua por que, mesmo que desacreditemos o enunciador de uma ideia, a mesma pode ser facilmente defendida por outrem logo em seguida – seu efeito, neste caso, tão fugaz como a tomada de um peão oferecido em sacrifício numa partida de xadrez.

Ineficaz por que bons adversários são essenciais à valorização de qualquer embate. Gregos antigos já sabiam disto ao manifestarem especial apreço pelo diálogo como instrumento de aquisição de conhecimento. Além disto, é principalmente pela oposição, seja de uma ideia, habilidade ou força, que percebemos alguma qualidade maior ou melhor. Afinal, o que seria de Senna sem Prost, de Ali sem Frazier, de Borg sem McEnroe, de Lula sem Bolsonaro ou do Grêmio sem o Inter ?

* * *

Sobre brigas nas quais nos metemos na internet, passei a respeitar, desde que o ouvi de um amigo, o seguinte princípio:

jamais responder a qualquer provocação, por mais ultrajante que pareça, no ato.

Meu amigo pratica, como método, o hábito de, sempre que incomodado por qualquer coisa com a qual tenha tomado contato por meio de redes sociais, não reagir de imediato. Pois não há nada que uma boa noite de sono não resolva. Na maioria das vezes, nem se lembra, ao acordar pronto para outra, da suposta ofensa recebida no dia anterior – prova maior de que aquilo não era, de modo algum, importante. Se, no entanto, aquilo continua a lhe incomodar mesmo depois do sono restaurador, parte, aí sim, para a elaboração de uma resposta à altura, bem pensada e, como tal, fulminante na maioria das vezes.

Se fosse para dar um nome a esta prática, talvez o mais indicado seria regra da cabeça quente – segundo a qual nossas respostas tendem a ser melhores quanto maior for o tempo decorrido deste o fato ultrajante gerador.

* * *

Finalmente, vale citar quatro regras, deitadas pelo filósofo Daniel Dennett (nascido em 1942) e compiladas por Maria Popova em seu brilhante site brainpickings, dando conta de uma ética e estratégia a ser adotada em debates com oponentes qualificados. Segundo Popova, Dennett faz uma pergunta muito apropriada que testa algumas das tendências e dinâmicas básicas da cultura atual onde todo mundo é um crítico, a saber,

Quão generoso você deve ser ao criticar visões de um oponente ?

Ao que responde:

Como compor um comentário crítico satisfatório:

Você deve tentar re-expressar a posição de seu alvo tão clara, vívida e justamente a ponto de ele dizer “Obrigado, eu gostaria de ter dito isto desta maneira.”

Você deve listar qualquer ponto de acordo (especialmente se não forem objeto de consenso geral ou amplo).

Você deve mencionar qualquer coisa que tenha apreendido com seu alvo.

Só então lhe será permitido dizer qualquer palavra de refutação ou crítica.

Para Popova, tal código de ética seria por si só suficiente para transformar o ambiente infernal dos comentários online. Dennett vai adiante, notando que esta estratégia psicológica logra transformar o oponente numa audiência mais receptiva à crítica ou dissenso, tendo como resultado o avanço da discussão.

Daniel Dennett foi descrito por Marvin Minsky, pioneiro da inteligência artificial, como o maior filósofo vivo e o próximo Bertrand Russell.

 

 

Por que manter perfis fechados em redes sociais e um absurdo elogio ao pensamento único

Até a semana passada, nunca havia me preocupado com as implicações de ter no facebook um perfil aberto, que pode ser lido por todos, ao invés de fechado, que pode ser visto só por amigos. O velho dilema entre manter, em redes sociais, um discurso público ou privado. Para ter um maior controle sobre o conjunto daqueles com que me disponho a conversar, ou mesmo por puro conservadorismo, optei, ao entrar no facebook anos atrás, por um perfil fechado por default. Em que pese, em tal ato, a flagrante contradição entre manter um perfil mais reservado e defender, ao mesmo tempo e em nome da eficácia argumentativa, a ruptura das bolhas discursivas.

Como dizia, me intriguei ao ver dois amigos, desconhecidos entre si, anunciarem, praticamente ao mesmo tempo, sua intenção de deixar a plataforma devido ao mal estar sentido em razão de ataques (presumo que contraditórios desqualificados) sofridos no facebook. A princípio estranhei um pouco, pois jamais me importei com vitupérios deixados aqui ou ali por pessoas de viés ideológico diametralmente oposto ao meu – os quais alguns preferem chamar de trolls – que insisto, no entanto, em manter na timeline tão somente pela diversão e instrução que me propiciam. No mínimo, ajudam a sentir a temperatura do mundo lá fora.

Ao anunciar, todavia, uma possível intenção de abrir meu perfil, fui alertado por outro amigo que deveria, antes, estar preparado, pois visões contrárias viriam com tudo, da pior forma possível. Demovido, assim, do propósito de “dar a cara ao tapa” mais do que já dou, tratei de entender um pouco melhor a diferença entre interações (curtidas e, principalmente, comentários) que se produzem sob perfis fechados e abertos. Felizmente, há um contexto experimental privilegiado para isto – a saber, as postagens de divulgação do que escrevo neste blog, de um lado em meu perfil fechado e, de outro, no perfil aberto do Sul 21.

O contraste entre o teor e o tom predominantes nos dois ambientes é gritante. Há, de fato, em meu perfil fechado, entre uma grande maioria de manifestações de apoio e concordância ao que digo, um ou outro comentário de cordial discórdia, quase sempre no intuito de contribuir com o aprimoramento do argumento. Costumo agradecer. Pois, na economia da atenção, o maior prêmio possível é o contraditório qualificado. E há, claro, vez que outra, algum troll vociferando, para meu deleite e dos demais leitores. Também agradeço. Pois o que seria do circo sem palhaços ?

Já uma comunidade bem diferente se amontoa nos comentários sob as postagens de divulgação de meus textos, quase sempre provocações com endereço certo, no perfil aberto do Sul 21. Lá coexistem tanto manifestações de solidariedade como francos ataques às ideias defendidas no blog. Dentre os últimos o que mais chama atenção é a pobreza de linguagem, por vezes apelando ao baixo calão, e os ataques ad hominem (a falácia do envenenamento do poço, que me é tão cara). Não sofro, no entanto, com isto. Antes, me divirto. Além disto, tais bravatas ajudam, na maioria das vezes, a perceber quando consegui mexer num vespeiro.

Pensando bem, talvez meus amigos tenham razão ao aconselhar a manutenção de um perfil fechado. Pois ver desaforos, num perfil aberto mais impessoal, só quando estamos dispostos a isto é uma coisa. Outra, bem desagradável, deve ser ter que se deparar com a legião de trolls sempre que entramos na rede para, ao fim e ao cabo, nos pormos a par do que acontece no mundo. Nestas horas, olhares amigáveis não tem preço.

* * *

Ainda que este post possa ser rapidamente classificado como de netiqueta, tratando antes de tudo da higiene virtual, não há como não tergiversarmos sobre um tema que, sutilmente, o perpassa (sempre quis usar esta palavra !) – a saber, a tolerância e, mais do que ela, o apreço ao contraditório. Com isto em mente, devo confessar meu choque ao me deparar, na timeline, com a reprodução de uma coluna de David Coimbra em ZH (perguntado, me apressei em dizer que não assino o tabloide) que se constituía num dos mais flagrantes elogios ao pensamento único que eu jamais vira. Não vou conspurcar este espaço com uma transcrição integral, mas alguns trechos da peça do moço, pelo qual ZH optou ao demitir Verissimo, realmente valem a pena. A começar pelo título:

Chega de provocar o debate. Por que ofender as pessoas ?

É claro que estas frases funcionaram como um imã para a leitura do texto que seguia, cujas passagens mais obscurantistas são:

” … as pessoas se tornaram sensíveis demais, hoje em dia. É muito difícil não ferir suscetibilidades. Mas me rendo. Não escrevo para fazer mal às outras pessoas. Então, se percebo que alguns ficarão tristes se escrever algo, não escrevo algo. *

Não é a reação furiosa, a crítica feroz ou a movimentação de algum grupo que me faz parar. Ao contrário: quando me atacam, a minha tendência é revidar com mais força. O que me deixa chateado é deixar alguém chateado. ”

” … no suscetível mundo do século 21, tudo é, exatamente, contra ou a favor, sim ou não, branco ou preto. Assim, o cristão que hoje se sente ofendido amanhã vai ofender e a resposta virá e a tréplica se dará também e isso nunca mais vai acabar.

Estamos muito perto das hélices. O mundo está ficando perigoso. Você, que tem a cabeça arejada, que é libertário, que é culto, que luta contra os preconceitos, pare de lutar. Pare de protestar. Pare de “provocar o saudável debate”, porque o saudável debate não é mais saudável. Nós não estamos avançando. As pessoas só avançam quando seguem juntas.

Sei que fascismo é um termo bem desgastado no atual debate político. Mas se a conclamação imediatamente acima não for fascista, então não sei mais o que é.

* * *

* Será que se eu disser que seus textos me entristecem e chateiam, David Coimbra deixa de escrever ?