In memoriam Fernando Mattos (1963-2018)

É tradição não se falar mal dos mortos. Notem que, em obituários, é prática amplamente disseminada omitir ou, quando muito, relativizar os senões das biografias daqueles que já não estão entre nós. Só que, por mais politicamente correto tal expediente seja, é também bastante injusto – pois tende a nivelar os feitos de todos os que já se foram de tal modo que as realizações dos melhores tendem a se equiparar às dos médios ou mesmo às dos piores.

Pensei nisto enquanto imerso na atmosfera de profundo pesar pela morte precoce de um daqueles que foi dos melhores professores que o Instituto de Artes da UFRGS já teve: o compositor Fernando Mattos (1963-2018). Que não se deixe enganar, então, quem acreditar que as inúmeras e importantes homenagens recebidas, desde seu trágico falecimento em 4 de novembro último, tenham sido motivadas exclusiva ou principalmente pelo enorme vácuo afetivo deixado entre aqueles que lhe eram mais próximos. Fernando era, em todos os sentidos, um compositor e um professor excepcionais.

Falemos primeiro do professor, que é, provavelmente, como a maioria o conheceu. Não há aluno ou ex-aluno do IA que não tenha guardado ótimas recordações de sua atividade educacional. Antes do recital de ontem, alusivo à sua obra, vários outros aconteceram, dentre os quais cabe mencionar o de um de seus ex-alunos, o clarinetista Pedro Schneider, em Los Angeles, incluindo uma de suas composições e dedicado à sua memória.

Foi na atividade docente que muitos conheceram sua generosidade, humildade e amplo conhecimento. A ponto do violonista Thiago Colombo (UFPEL) dizer, num dos incontáveis obituários que pipocaram nas redes sociais, que, se soubesse de alguém que, por qualquer motivo, tivesse brigado com o Fernando, saberia, a priori, sem precisar estar a par dos detalhes, que esse alguém não prestava.

* * *

O recital de ontem à noite apresentou um recorte de sua variada e volumosa obra, começando por sua primeira composição (Poemeto, para violão solo) até provavelmente a última (Toda Noite, para coral e contrabaixo), composta entre o primeiro e o segundo turno das últimas eleições – nas quais, aliás, se engajou ativamente em favor do lado mais humano e democrático. Tudo o que foi lá executado, por colegas e alunos, e ouvido corrobora a convicção de que Fernando, além de ter amplo domínio sobre a escrita para os mais diversos instrumentos, foi fluente em muitas linguagens. Com isto, não é possível atribuir a sua música um “estilo privativo” – i.e., aquilo (como, por exemplo, uma linguagem harmônica  específica) que permite que identifiquemos prontamente um compositor ao ouvir uns poucos sons de suas obras. Demérito ? Penso o contrário: antes, total comando sobre o métier.

Deste modo, foi possível ouvir, ao longo da noite de ontem, a melhor escrita violonística contemporânea (Fernando era exímio violonista e alaudista) já em sua primeira obra e traços de madrigais renascentistas (Fernando também cultivava uma intensa relação com a música antiga, pela qual nutria especial apreço) na última. Em meio a tudo isto, penso ter ouvido, lá pelas tantas, ecos de Messiaen (alguém mais ouviu ?) – e há quem reconheça em sua música uma inegável influência de Hindemith. Provavelmente, todos estão certos. Tudo isto me fez lembrar uma alcunha que apús a outro eclético e prolífico compositor do IA, Hubertus Hofmann (1929-2011), a partir de como Millôr Fernandes se auto proclamava: ” – Enfim um compositor sem estilo ! “

Descansa em paz, Fernando !

Por uma web semântica

Hoje, ao abrir o facebook, me deparei com duas postagens independentes, por pessoas que talvez nem se conheçam entre si, mas que propagavam, essencialmente, uma mesma mensagem. Foram elas

e

postadas, respectivamente, por Elena Romanov e Manuelai Camargo. Ambas expressam uma realidade, conquanto sutil, bem importante e atual – o que me levou, de pronto, a ponderar sobre o quão benéfico seria, para a aglutinação e posterior discussão de ideias, um modo automático de detecção de conteúdos relacionados, capaz de aproximar estranhos entre si que partilhem preocupações comuns.

Tal objetivo é perseguido pelo filósofo e cientista da informação (os rótulos são meus) Pierre Lévy, professor da Universidade de Paris 8, nascido na Tunísia. Sem conhecer detalhadamente o estado atual de seu grupo de pesquisa, sei apenas que almeja uma internet inteligente, capaz de operar automaticamente com significados sem intervenção humana. Sem sombra de dúvida um importante passo a ser dado em relação à inteligência artificial.

Os mais céticos e/ou argutos hão de dizer: ” Ora, mas isto já existe ! “, alegando que os hashtags (#) apostos a enunciações – utilizados, primordialmente, para medir trending topics – dão conta desta tarefa. Só que esta constatação apressada não leva em conta que hashtags são atribuídos por humanos pretendendo incluir seus pitacos num todo maior. E mesmo que usuários de redes sociais se abstivessem de rotular suas falas, deixando aos próprios algoritmos a tarefa de caçar palavras comuns capazes de relacionar o que cada um diz a uma “conversa” maior, tal expediente seria ainda muito limitado em relação à utopia vislumbrada por Lévy. Vejam, por exemplo, os dois “memes” acima, obviamente relacionados.

Neles, ainda que se esteja falando da mesma coisa, não há qualquer palavra comum a ambos capaz de relacioná-los automaticamente. Pois notem que, enquanto o primeiro menciona uma expressão calabouço, plenisignificante – a saber, anti-intelectualismo – o segundo a caracteriza perfeitamente por meio de uma série de exemplos sem, no entanto, recorrer a mesma sequer uma vez.

Então, até que uma verdadeira ferramenta algorítmica esteja disponível, preocupações importantes como esta caminharão paralelamente por um longo tempo, sem que seus portadores se conectem, até que, por obra do acaso ou alguém que a priorize, se torne um movimento que venha a realizar alguma ação concreta contra esta tendência tão nefasta.

* * *

Pierre Lévy já esteve no Brasil várias vezes, tendo, inclusive, participado do Fronteiras do Pensamento e sido entrevistado no programa Roda Viva. Há uma miríade de vídeos disponíveis com suas falas – razão pela qual eleger um, para fins ilustrativos, constituiria não mais do que um recorte arbitrário e reducionista. Por isto, deixo o grau de aprofundamento em seu pensamento a critério da vossa curiosidade – sugerindo apenas que pesquisem, além de seu nome, o conceito de web semântica que lhe é tão caro.

Arlequim, de Karlheinz Stockhausen (1928-2007), por Paula Pires, clarinetista

Tive o prazer e o privilégio de assistir, na última quinta-feira, a  uma performance do Arlequim, de Karlheinz Stockhausen (1928-2007), pela clarinetista Paula Pires. Não vou me deter, aqui, em peculiaridades da obra (que são muitas) nem tampouco na contextualização de sua criação e estreia,  até por que o público alvo deste post, tão escasso quanto o que esteve presente naquela apresentação ou, de resto, o de qualquer outra obra do compositor, é presumivelmente familiarizado com sua linguagem, a qual pode ser chamada de tudo menos de convidativa (ao menos aos ouvidos da maioria).

Explico. Stockhausen foi uma das figuras centrais do movimento conhecido com Escola de Darmstadt que, a partir da metade do século 20, desafiou tudo o que era estabelecido em termos de composição musical, por isto mesmo abrindo mão da obrigatoriedade de uma comunicação fácil com o público – fortemente, esta, dependente de uma certa repetitividade que dominou toda a música anteriormente composta. Resumidamente, Stockhausen poderia ser, então, descrito, para desespero de musicólogos e ouvintes mais… “especializados”, como um compositor hermético.

Como eu já disse, o público que afluiu à raríssima execução do Arlequim, na semana passada, no Instituto Goethe de Porto Alegre, foi, pela razão acima sumariada, minúsculo. Estimo que entre 10 e 20 pessoas, na maioria participantes do Primeiro Festival Internacional de Clarinetistas de Porto Alegre, de cuja programação a performance de Paula fazia parte. Por que insisto tanto nisto – a saber, na atribuição do rótulo “música para poucos” ao Arlequim ?

Contrariamente ao que parece, não vai aí qualquer reprovação ao hábito do público médio frequentador de concertos, que teima em privilegiar a mesmice em detrimento de tudo o que lhe é estranho – deixando, com isto, numa sinuca programadores de espetáculos que precisam se justificar perante apoiadores com casas lotadas. Se enfatizo o pouco apelo da obra ao ouvinte médio é, pois, tão somente para não deixar qualquer dúvida sobre o fato de que o caráter sublime de um gesto artístico independe de seu apelo popular – estando, não raro, em franca oposição ao mesmo.

* * *

Toco em concertos sinfônicos várias vezes ao mês. Com frequência um pouco menor (hoje bem menos do que antes), assisto a outras apresentações musicais. Mas se me perguntarem o que toquei ou ouvi ao longo dos últimos anos ou décadas, é bem provável que já tenha me esquecido de grande parte deste oceano musical (afortunadamente, muitas vezes).

Este certamente não foi o caso do que vi, ouvi e senti naquela noite no Instituto Goethe. Pois o Arlequim de Stockhausen é muito mais do que uma música  no sentido restrito, isto é, existente apenas enquanto uma partitura que, para ganhar vida, deve ser tocada por um músico ou conjunto de músicos. Sim, a partitura existe. Mas termina aí qualquer semelhança com tudo o que eu já ouvira antes.

Primeiro, é claro, por que a música do Arlequim deve ser executada em perfeita coordenação com movimentos coreográficos executados pelo clarinetista segundo especificações minuciosas do compositor. Ora, isto não é pouca coisa, uma vez que músicos são normalmente treinados para executar seus instrumentos em configurações estáticas, sentados ou em pé, ocupando um espaço limitado, como num cockpit. Depois, por que, em decorrência deste acúmulo atípico de funções (no ballet, por exemplo, músicos tocam enquanto bailarinos dançam), a complexa partitura deve ser totalmente memorizada pelo músico.

Céticos hão de dizer, aqui, que solistas de concertos estão habituados a tocar “de memória”. Me atrevo, no entanto, a supor ser muito mais fácil memorizar, de um lado, uma obra em formas tradicionais, com seções claramente delimitadas e um “texto” previamente fixado e exaustivamente ouvido, ao vivo e em gravações, do que, de outro, uma peça com espaço para improvisação controlada e sem a profusão de “ganchos” métricos e tonais peculiares ao repertório de concerto mainstream, nos quais tanto intérpretes como ouvintes invariavelmente se apoiam.

Tudo isto faz do Arlequim de Stockhausen nem música pura nem tampouco incidental. Sua concepção, por assim dizer, holística do intérprete é algo, senão único, ao menos sem precedentes (pois provavelmente já deve ter sido imitada) na história da música ocidental.

* * *

Bom. Vim aqui para falar de uma performance e me pego traindo meu propósito inicial ao me deter em tantos pormenores da obra. É que não tive como fugir disto. Pois não há como se ter sequer uma pálida ideia da magnitude do feito de Paula ao dar vida ao Arlequim a não ser por meio da consciência de tudo o que a tarefa implica. Mas não tentarei, nesta anti-resenha, descrever a experiência em detalhes para quem não esteve lá. Principalmente por que seria inútil. Suficiente, então, sublinhar que a performance de Paula foi marcante em todos os aspectos.

Quando entrei no teatro, era cético (devo confessar) quanto ao sentido de alguém se especializar com tamanha intensidade na realização de uma obra musical a ponto de, entre tantas coisas, viajar a outro continente para estudar com quem a estreara sob a supervisão do próprio compositor; dedicar tempo e esforço enormes à memorização da mesma (tempo e esforço, estes, suficientes para se apreender um vasto repertório mais… tradicional); ou, ainda, enfrentar a árdua disciplina física necessária à sua execução.

Então, ao longo dos cerca de 40 minutos de duração da performance, sofri uma transformação. Não há como descrever o encantamento a que todos os que estavam ali foram submetidos (a julgar pela ovação ao final). Fui lá desconfiando que testemunharia algo único e, consoante a isto, portando uma câmera fotográfica para melhor ilustrar este post que, também desconfiava, acabaria escrevendo. Só que, imerso na escuridão e no silêncio tão cruciais àquilo tudo, desisti de conspurcar a atmosfera com os disparos da máquina. Felizmente, encontrei um registro em vídeo de uma performance anterior de Paula, o qual, infelizmente, pouco revela do que foi ter a atenção exclusivamente capturada pela magia daquele momento. Quando fui embora, todas as minhas dúvidas haviam se dissipado.

Hoje, passados alguns dias, sigo impactado por aqueles minutos, tendo renovado meu entendimento, ainda que intangível, impossível de ser vertido em palavras, da necessidade da arte. Acho que esta sensação não é só minha. Muito obrigado, Paula !

 

 

Por uma verdadeira reforma política: o problema dos CCs e dos representantes parlamentares

Não é de hoje que sustento que toda a tragédia da política resulta primordialmente de um fato, tido como espécie de cláusula pétrea de todo sistema democrático parlamentar e de governo – a saber (no caso dos governos; o problema da representação parlamentar será tratado mais adiante), a nomeação de cima para baixo dos ocupantes dos cargos ditos de confiança, mais conhecidos como CCs, tais como ministros, secretários de estado e detentores de cargos em escalões inferiores que sejam nomeados por governantes eleitos ou seus prepostos imediatamente subordinados.

Imaginem, assim, toda a pirâmide administrativa com um presidente (na esfera federal), governador (na estadual) ou prefeito (na municipal) no topo e um círculo ligeiramente mais numeroso de ministros e secretários nomeados pelos primeiros sem a obrigatoriedade de consulta a qualquer setor afetado pelas nomeações. Abaixo disto, há um plano mais numeroso ainda de diretores nomeados, sob as mesmas condições, por estes ministros e secretários – os quais, por sua vez, possuem a prerrogativa de nomear para as organizações sob sua direção, também sem qualquer obrigatoriedade de consulta às comunidades afetadas, legiões ainda maiores de ocupantes de “cargos de confiança”.

A pergunta que deve ser feita é: da confiança de quem ? Pois, ainda que um presidente da república, governador ou prefeito possa legitimamente confiar em sua equipe mais próxima de ministros ou secretários, é humanamente impossível a qualquer governante eleito confiar, por delegação de responsabilidade, na competência e na integridade de cada ocupante de cargos designados por seus subalternos imediatos e, menos ainda, por subalternos destes subalternos e assim por diante – de tal modo que é razoável se supor (e isto é, de fato, o que geralmente acontece) que, em algum escalão de nível inferior, longe da vista do governante no topo de cada pirâmide, fatalmente se instalarão oportunistas de plantão, quase sempre políticos filiados a algum partido que não lograram eleição para cargos de maior evidência e melhor remunerados.

Temos, então, que, em pirâmides administrativas, a confiança se degrada descendentemente, do topo em direção à base. Políticos eleitos sabem disto e, por esta razão, invariavelmente prometem, em suas campanhas, que suas equipes administrativas serão compostas por critérios exclusivamente técnicos – promessa que é, no entanto, deixada de lado, nas fuças dos eleitores, tão logo os eleitos começam a montar suas equipes para o primeiro escalão.

Neste contexto, o que temos, então, invariavelmente (exceto, talvez, em universidades federais, cujos reitores e diretores já são escolhidos pela comunidade acadêmica), gestores diretos (diretores) e indiretos (secretários) de escolas, hospitais e outros equipamentos públicos que foram escolhidos sem que jamais as comunidades afetadas (usuários e servidores) fossem consultadas.

* * *

Imaginemos, agora, um paradigma inverso, no qual governantes não pudessem mais escolher subordinados (eliminando-se, com isto, toda indicação política) mas, ao contrário, os mesmos fossem escolhidos ascendentemente pela maioria da população afetada sob cada esfera administrativa. Assim, pais, professores e alunos escolheriam diretores de escolas; pacientes, médicos e servidores escolheriam diretores de hospitais; juízes e a sociedade organizada escolheriam os membros do STF e até o ministro da justiça; e assim por diante.

* * *

Feito este exercício hipotético, é fácil antever possíveis objeções levantadas – as mais óbvias dentre elas sendo a ingovernabilidade resultante e a complexidade de implementação. Vejamos cada uma delas separadamente.

* * *

Desde as primeiras vezes em que, décadas atrás, formulei esta utopia, sempre ouvi dos mais cínicos que ninguém conseguiria governar sem exercer a prerrogativa de nomear seus subalternos imediatos. Como resolver conflitos de interesse como, por exemplo, a partilha de orçamentos entre setores concorrentes ?

Ora, é claro que o exercício do poder, num sistema em que governantes não mais pudessem impor sua vontade pessoal mas, ao invés, tivessem que mediar tais interesses conflitantes, seria inegavelmente muito mais difícil, requerendo um talento como negociador muito maior do que aquele a que estamos acostumados a reconhecer entre nossos políticos. Mais: para que serviria um presidente, governador ou prefeito que não pudesse nomear equipes de governo ? Ótima pergunta, pois, face ao que a política, independentemente de partido, tem nos proporcionado recorrentemente, chega até a ser desejável um sistema no qual detentores de cargos majoritários tenham cada vez menos autoridade, se tornando figuras cada vez mais simbólicas. Noutras palavras, uma redefinição radical daquilo que normalmente entendemos como um estadista.

Não posso afirmar com segurança se um sistema como o aqui proposto deve ou não ser considerado como anárquico. Por isso mesmo, deixo a rotulagem para os cientistas políticos. O que posso, sim, afirmar é que tal configuração seria um passo importantíssimo em direção à tão necessária (acho difícil alguém não concordar com isto) descentralização dos governos e que, portanto, valeria a pena ser experimentada.

* * *

A outra objeção facilmente levantada em relação a um sistema de nomeação de confiança ascendente (i.e., pela maioria) reside em sua complexidade de implementação. A própria definição de “comunidade afetada”, essencial ao modelo, é escorregadia, variando enormemente em cada caso. Por exemplo: como determinar em que proporção (peso) os pacientes, servidores e corpo clínico de um hospital devem ser considerados quando da escolha da direção do mesmo ? Mais: ainda que médicos e servidores constituam um conjunto relativamente estável, como delimitar a esfera dos pacientes atendidos, que variam constantemente em cada comunidade ?

Claro está que, em suas peculiaridades, cada caso é um caso. Exatamente por isto, a implementação de tal modelo só poderá se dar de modo progressivo, umas poucas instâncias de cada vez, até que se chegue, empiricamente, a algum tipo de fórmula consensual.

A tarefa também seria enormemente difícil para a justiça eleitoral, acostumada que é a conduzir pleitos para uns poucos cargos a cada dois anos. Numa sociedade como a antevista acima, as consultas seriam muito mais numerosas e praticamente contínuas. Já existe, todavia, tecnologia para tanto. A solução passa, necessariamente, pela universalização do voto eletrônico e facultativo, desonerando a justiça da complexa logística das seções eleitorais e das apurações centralizadas. Com isto, o maior empecilho não está tanto na viabilidade técnica mas na vontade política – o que nos leva diretamente à próxima discussão.

* * *

Se uma ideia como esta fosse assim tão boa, por que políticos a ignoram sempre que falam, com ares de importância, numa necessária reforma política ? Ora, por que não interessa a governantes eleitos nem tampouco a partidos políticos perder a prerrogativa de nomear CCs. A simples supressão do expediente debilitaria, talvez irreversivelmente, a estrutura partidária, pela simples abolição de sua moeda de troca mais corrente. Pois, ainda que só uns poucos se filiem a partidos nutrindo reais ambições de se elegerem, muitos de afiliados certamente lá estão na esperança de serem lembrados na hora em que, depois de cada eleição, forem preenchidos os numerosos cargos dos escalões inferiores.

Mais ou menos a mesma lógica de obsolescência em relação aos governos centralizadores se aplica, também, à representação parlamentar. Sejamos honestos: para que precisamos de representantes hoje, quando já podemos votar diretamente sobre quaisquer questões que nos digam respeito ? Numa era de facilidades digitais, por que precisamos sustentar onerosas casas legislativas tão somente para permitirmos que políticos, detentores de procurações em branco, decidam em nosso lugar ? Estou aqui, é claro, a falar de uma política plebiscitária, sem intermediários, de complexa implementação, mas para a qual as condições tecnológicas já existem. O que falta, novamente, é só vontade política.

O que leva, fatalmente, à questão: como esperar de atuais legisladores qualquer reforma política de fundo que, ao mesmo tempo, suprima parlamentares e limite o poder de governantes ? A resposta, óbvia, é que não podemos esperar de uma classe política acostumada a mamar nas tetas do que é público que corte a própria carne. O tema, então, se prosperar, deve ser obrigatoriamente objeto de deliberações à revelia do parlamento tais como emendas populares e/ou uma constituinte exclusiva. Ou seja, não será fácil.

Primeiro, é preciso plantar a ideia nas mentes das pessoas. Depois, lembrar que configurações democráticas não possuem um status de irrevogabilidade; tendo já sido diferentes ao longo da história (ainda que o timing das mudanças de concepções políticas seja bem lento, com cada modelo valendo por vários séculos ou gerações). É neste esforço que este post se insere. Obrigado pela atenção dispensada a sua leitura !