Mensagens demais

Compartilhe este texto:

Um amigo disse no facebook dias atrás que tinha mais de 12.000 emails não lidos. Para sua (e minha !) surpresa, muitos contestaram em comentários que tinham muito mais. Não sou tão radical. Tomo ciência de cada email que recebo. É claro que não leio a grande maioria. Mas arquivo cada um deles em pastas segundo seus emitentes, para rápida referência futura, se necessária. Dentre as principais categorias de emails irrelevantes, se destacam os publicitários, as solicitações de adesão a petições, os de corretores imobiliários e, é claro, a maior parte das “circulares” institucionais. As últimas são uma verdadeira praga. Por alguma razão, burocratas distribuem todo e qualquer documento que lhes cai em mãos (e que poderia simplesmente estar disponível em portais) para uma legião de (em seu entender) possíveis interessados – geralmente alguma classe de servidores como, por exemplo, professores de um instituto ou departamento acadêmico.

Antes da internet, a triagem do lixo postal era bem mais fácil. Podíamos identificar comunicações de interesse pessoal por meio de critérios simples tais como, por exemplo, ler tudo o que fosse manuscrito ou datilografado e descartar tudo o que fosse impresso, sendo a mala direta, antes da revolução digital, o legítimo precursor do spam.

Se a tecnologia agilizou tremendamente as coisas ao viabilizar mensagens instantâneas e representou um inegável ganho ambiental por praticamente sepultar a comunicação impressa; trouxe, por outro lado, um vasto excedente de comunicações desnecessárias decorrentes da própria facilidade (alta praticidade e baixo custo) dos novos meios. Há hoje uma intensa pressão social para que estejamos cada vez mais conectados. Se não nos abstivermos ativamente do bombardeio de mensagens, poucas delas imprescindíveis ou importantes, teremos a atenção desviada para seu fluxo incessante durante todo o tempo em que estivermos acordados.

Nem sempre foi assim. Houve um tempo em que ninguém podia ser acessado nos intervalos em que não estivesse ao alcance de um telefone fixo. Com os celulares, este privilégio acabou. Ainda assim, a verborragia era limitada pelo custo elevado tanto de chamadas de voz como de mensagens de texto. Com a internet, este custo foi abolido e, pior do que isto, os famigerados grupos de mensagens difusas não endereçadas a destinatários específicos se tornaram uma realidade onipresente. Ao ponto, até, de a mera recusa pessoal de utilizar plataformas como o whatsup ser considerada francamente anti social. Já experimentei isto mais de uma vez. Também não é raro eu ter que explicar por que jamais habilitei meu smartphone para acessar a internet.

* * *

Sei que o desabafo acima mais parece ranço saudosista. Que o futuro é conectado, dirão. E que a internet móvel é o novo normal. Mas não consigo parar de pensar que, no novo regime de conexão quase universal, algo de muito especial acabou se perdendo na economia da atenção. Algo que pode ser mais ou menos formulado como a impossibilidade de pensamento profundo num regime de interrupções frequentes.

Na única e memorável vez em que estive com Howard Rheingold, que reputo como um dos pais da internet, ele confessou que até um entusiasta como ele dos novos meios precisava de momentos offline, nem que fosse só passeando com seus cães, tão somente para preservar a capacidade de pensar. É, também, amplamente conhecida a noção, formulada por Domenico de Masi, de que pouco ou nada de importante acontece a cada dia, sendo o frenético fluxo de notícias veiculado pela mídia altamente redundante. Somos, no entanto, induzidos pela indústria de notícias e, mais recentemente, pelas redes sociais a acreditar que perderemos algo imprescindível ao nos desconectarmos temporariamente.

Ainda hoje, relutava em escrever ou não este post quando, providencialmente, surgiu em meu feed este interessante artigo em prol do ócio criativo. Por essas e outras, sigo tentando, ao custo de muita disciplina e por vezes sem êxito algum, deliberadamente ignorar, durante intervalos de tempo, o que a mídia e as redes queiram insistentemente me mostrar. Chamem a isto como quiserem. Eu chamo de higiene mental.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *