Por que a intolerância é inerente a todas as religiões

Um dos aspectos mais fascinantes das redes sociais é a absoluta falta de controle, por parte de quem posta algo, sobre as múltiplas inclinações que podem assumir os comentários sob cada postagem. De pouco adianta que seus autores tentem exercer uma espécie de curadoria perversa, excluindo este ou aquele comentário a fim de manter minimamente a correlação entre o que foi postado e o que é comentado e, com isto, alguma coerência discursiva entre a postagem original e os comentários sob a mesma – já que, ao frequentarmos as redes, almejamos, antes de tudo, alguma interação com a audiência.

Foi assim que, dias atrás, ao procurar reverberar no facebook o conhecidíssimo bias da mídia corporativa em relação à importância atribuída a cada atentado terrorista em função dos territórios onde ocorrem, me deparei com um thread de comentários cuja índole denotava, antes de mais nada, a intolerância religiosa. A saber, o velho conflito entre os mundos judaico e muçulmano.

Não pretendo (nem poderia), aqui, identificar de que etnia partiu a agressão inicial em nome da qual todas as guerras e atrocidades subsequentes foram cometidas. Até por que a justificativa mais usada para qualquer ataque é sempre a defesa. Em nome dela, se invadem países, bombardeiam populações inocentes e ditam leis de exceção. Nem tampouco me proponho a condenar ou justificar a existência de Israel ou a inexistência, até o momento, de um estado palestino. Pois tais questões envolvem conhecimentos geopolíticos melhor dominados por economistas e historiadores. Vale a pena, no entanto, se debruçar um pouco sobre a indagação de por que, desde tempos pré-bíblicos até muitos estados modernos, fronteiras geográficas sempre foram determinadas pelas crenças religiosas de quem vive entre elas e, portanto, pela intolerância em relação a crenças divergentes.

Tanto no mundo antigo como no medieval ou atual, guerras foram e são travadas e fronteiras estabelecidas, fundamentalmente, em razão dos deuses em que grupos humanos distintos acreditam. Enquanto o extremo oriente é dividido entre budistas e hinduístas, temos no oriente médio o clássico conflito entre judeus e muçulmanos, atual centro de atenção jornalística principalmente em razão de riquezas do subsolo, e, no mundo europeu e suas ex-colônias, a fratura do mundo cristão entre católicos, protestantes e, mais recentemente, as denominações neopentecostais. Desde os tempos medievais, estados vem sendo estabelecidos, na melhor das hipóteses, por alianças cuidadosamente arquitetadas sob a forma de casamentos entre casas monárquicas ou, na pior (por que a mais sangrenta), por guerras devastadoras. Mesmo na de resto civilizadíssima Europa, temos ou tivemos até pouco tempo atrás (não sei ao certo) conflitos como aquele entre católicos e protestantes irlandeses. Neste contexto, o estado laico é uma invenção humanista bem recente e ainda precariamente implementada. A julgar, por exemplo, pelas orações promovidas pela bancada evangélica no congresso brasileiro.

Posto isto, cabe se especular por que a intolerância é inerente não a uma mas a todas as religiões. Pois mesmo que algumas delas preguem a tolerância aos que acreditam em divindades e valores diferentes, para todos os seus adeptos a simples aceitação de uma condição de igualdade com alguém com uma matriz diferente de crenças implica na insuportável premissa de que, por tolerarmos que outros pensem de modo diferente, eles possam estar certos e nós, errados. O que pode variar, de uma religião para outra, é só uma atitude que vai de superioridade e soberba travestida em tolerância até a retaliação fundamentalista de infiéis. Seja como for, a incerteza implícita na coexistência com o que é diverso é estranha a todo pensamento religioso. Pois religiões são, afinal, dedicadas primariamente à sustentação de fantasias criadas pelo homem como verdades incontestáveis muitas vezes incompatíveis entre si. Mais: já foram descritas como enormes jogos de realidade virtual compartilhados e jogados por milhões de pessoas. Tal é a concepção do pensamento religioso segundo Yuval Noah Harari, da Universidade Hebraica de Jerusalém, cujas ideias merecem ser melhor conhecidas.

harari 1
Yuval Noah Harari

Para uma introdução ao pensamento do israelense Harari, tão instigante quanto original, confiram o artigo recentemente publicado pelo historiador em The Guardian. E para uma visão crítica e divertida da intolerância insana inerente a todas as denominações religiosas vejam o filme de curta metragem This Land is Mine, sobre a música tema do filme Exodus, realizada pela excelente cartunista, ativista e artista de animação norte-americana Nina Paley.

 

 

Muito fogo e pouco povo; ou A greve que não existiu

Negações de fatos comprovados vem tomando bastante importância em tempos recentes. São, por exemplo, bem conhecidos os casos de negadores do holocausto e do aquecimento global. O primeiro já ganhou as telas do cinema, através de um julgamento célebre (Negação, 1916). O segundo já é uma preocupação nos EUA: Jay Rosen, professor de jornalismo da NYU, escreveu sobre como o problema do aquecimento global deve ser endereçado por educadores e jornalistas. Em seus artigos, defende que fatos comprovados não podem ser tratados como meras questões de opinião. Podemos, então, afirmar que a expressão negacionismo (denialism) entrou definitivamente para o jargão sócio-político.

No Brasil, o negacionismo registrou, nos últimos dias, seu caso mais emblemático, a saber, a premissa, sustentada eloquentemente pela Rede Globo e outros conglomerados de mídia, de que a greve geral do último dia 28 de abril jamais existiu.

Dois dias depois do grande evento, que foi considerado pela Fundação Getúlio Vargas como o maior em toda a história da internet brasileira, a revista Veja circulou com a seguinte capa:

veja greve geral 1

Um parêntesis sobre a Veja. Quando apanhei um exemplar numa gôndola do supermercado para apreciar a capa, me espantei com a minguada espessura do fascículo. A Veja, que já teve lá suas 100 páginas, está hoje reduzida a algo como a metade disto. Pois bem. Meu pai, que assinou a revista desde seus primeiros exemplares, que saíram mais ou menos quando do golpe militar de 1964, adotou, lá pelas tantas, o hábito de arrancar à revista todas as páginas que contivessem anúncios dos dois lados, tão somente para saber o quanto de material editorial o semanário lhe oferecia em troca de sua assinatura. Não viveu para ver a revista convergir para a espessura de uma Time ou uma Neewsweek. Minguaram só os anúncios ou, igualmente, a matéria editorial ? Deve a redução da espessura da revista ser interpretada como um signo do declínio dos meios de broadcasting ? Não sei. Mas fica aí a dica de pesquisa para media watchers de plantão.

* * *

Já havia me referido, aqui, à vantagem de ler o noticiário da Globo nas entrelinhas. Na greve geral da última sexta-feira, começaram por mostrar desde quão cedo, ainda pela madrugada, seus repórteres estavam a postos para cobrir o anunciado dia de paralisação. Depois, no primeiro jornal da noite (o Jornal Nacional), trataram de caracterizar, no texto, a greve como um movimento exclusivo de centrais sindicais (esta atribuição de responsabilidade foi repetida nada menos do que TRÊS vezes pelo âncora William Bonner ao longo de toda a matéria) e, em imagens, como se a mobilização massiva tivesse se restringido a pneus incendiados em bloqueios de vias, vidraças quebradas e piquetes diante de garagens de ônibus para que não circulassem.

Tal recorte editorial gerou uma expectativa de que, no Fantástico do domingo seguinte à greve, se repetisse o mesmo tipo de discurso de minimização do ocorrido. Meu amigo Adroaldo Bauer Corrêa chegou mesmo a comentar que abriria mão da necessária tarefa de assistir ao programa por saber, de fonte confiável, que lá veríamos “muito fogo e pouco povo”. Tal era a expectativa geral. A Globo, no entanto, surpreendeu, pois nenhuma palavra ou imagem da greve foi veiculada nas ca. duas horas de duração do programa.

* * *

Me referi acima ao fenômeno crescente do negacionismo, que consiste na negação, por indivíduos ou grupos, da existência de fatos comprovados, passados ou presentes. A negação, no entanto, por meios supostamente jornalísticos, de fatos ou enunciações que sequer foram formulados nos mesmos meios (como, por exemplo, responder a uma pergunta que jamais foi proferida) é conhecida por psicólogos como denegação. Então, pelas razões acima, entendemos que a omissão praticada tão consistentemente (praticamente um insulto à inteligência dos espectadores), se trata, mais do que uma negação do ocorrido, de uma denegação – que, no entender de psicólogos, costuma significar muito. Noutras palavras, a recusa em divulgar a greve geral em toda sua magnitude, e mesmo sua omissão por completo, diz mais da posição da emissora do que qualquer matéria ou editorial sobre o evento diria.

Já bem disse alguém que uma imagem vale mais do que mil palavras. Consoante a isto, não vi nada que retratasse com mais precisão a atitude da mídia corporativa em relação à greve geral da última sexta-feira do que a charge abaixo (obrigado, Fernando Lewis de Mattos !):

charge 1