on conducting (xi): tempo falado X tempo tocado: uma correlação nada espúria

Sempre insisti que a qualidade de um ensaio orquestral pode ser facilmente relacionada à proporção entre o tempo empregado pelo maestro no pódio para se dirigir à orquestra com palavras e o tempo, nesse mesmo ensaio, em que os mesmos (orquestra e maestro) estão tocando. Pois observo que melhores resultados são indiscutivelmente obtidos por aqueles regentes que tocam (regem) mais do que falam. A tal ponto de eu já ter sugerido, em tom jocoso, que todos no pódio deveriam obedecer a um “protocolo do regente amordaçado” – uma indiscutível vantagem pelo menos naqueles concertos populares em que, a certa altura, o maestro toma um microfone para se dirigir ao público, proporcionando, nestes casos, a todos os presentes inesquecíveis momentos de vergonha alheia.

É claro que esta relação não é linear. Posto que algumas palavras endereçadas aos músicos em ensaios são essenciais. Só que a assertividade de uma orquestra durante um concerto costuma ser diretamente proporcional ao tempo efetivamente passado tocando e/ou repetindo a música durante ensaios. Conquanto isto possa parecer óbvio a observadores casuais, devo dizer que não são poucos os maestros que perdem tempo demais falando à orquestra, seja por falta de foco naqueles problemas que mais dificultam uma boa performance ou, não raro, se sentirem mais confortáveis falando do que regendo (sim, isto existe !). Com efeito, muitos parecem sentir genuíno pânico de estar à frente da orquestra por todo o tempo que lhes é facultado – daí soltarem descontroladamente o verbo, na maioria das vezes com detalhes ou assuntos colaterais que pouco ou em nada contribuem para o aprimoramento da execução. Quando isto acontece, pode ser “lido” na cara dos músicos, que passam a tocar burocraticamente, à espera do final de cada ensaio. Ao contrário, bons regentes são facilmente reconhecíveis pelo ânimo dos músicos que dirige – os quais, mais do que não denotar o peso inerente à atividade, parecem recuperar, ao tocar, algo de uma alegria infantil.

Desde que, muito cedo, constatei esta correlação, a meu ver nada espúria, entre a razão entre os tempos tocado X falado e a qualidade (aproveitamento) de ensaios, penso que o meio ideal para se estabelecer, em termos numéricos, esta relação seria através da utilização, durante os mesmos, de um daqueles cronógrafos duplos utilizados em partidas de xadrez por tempo, i.e., ganhas por xeque-mate ou esgotamento do tempo do adversário. Então, não estranhem quando eu finalmente aparecer num ensaio com um desses, pressionando os botões correspondentes a cada alternância entre a fala e a regência do maestro.

relógio para xadrez 5Estimo que a análise dos dados assim obtidos será bem elucidativa, ajudando a compreender melhor uma atividade pouco discutida e, por isso mesmo, repleta de mitos.

 

Procedimentos; ou Trial, error and statistics: that’s what medicine is all about

Aos meus amigos médicos

tomógrafo 1Com deve fazer todo diabético de tempos em tempos, fui ontem a uma clínica me submeter a exames oftálmicos periódicos. Já ao chegar, notei que as coisas andavam meio confusas por lá. Pois uma paciente que já havia retornado a sua casa precisou ser chamada às pressas de volta à clínica para realizar um exame restante sobre o qual, aparentemente, ninguém lhe dissera nada. Tendo inferido daí que, naquele dia, a bruxa devia andar à solta por ali, respirei fundo e ri sem que notassem. Tornaremos a isto.

Durante uma angiografia de retina com contraste, não pude deixar de notar – e comentar ! – que, pela primeira vez, não sentira, durante a injeção do contraste, o forte enjôo, acompanhado de ânsia de vômito iminente, experimentado em todas as vezes anteriores em que me submeti ao incômodo procedimento. Foi quando a técnica responsável pela realização do mesmo inadvertidamente confessou (ah, as armadilhas da vaidade…) que eu não sentira nenhum desconforto em razão dela ter injetado o contraste mais vagarosamente do que em vezes anteriores (!). Disfarcei meu espanto em surpresa positiva. Em seguida, comentei que em todas as outras vezes o exame fora realizado por duas técnicas – uma para fotografar as retinas e a outra para injetar o contraste – e não por apenas uma como ontem. Foi quando ela sorriu sem graça e confessou estarem enfrentando problemas transitórios de pessoal – ao que prontamente retruquei que, neste caso, o exame deveria ser realizado sempre por somente uma técnica. Por algum argumento de ordem corporativo/trabalhista, tendo a ver com direitos adquiridos, ela não deve ter gostado de minha constatação.

Já disse, um pouco acima, que, ontem, naquela clínica, a bruxa parecia estar à solta. Talvez por isto, não pude deixar de notar que, após a triagem habitual (chamada por ordem de ficha, questionário sobre alergias e carga medicamentosa, assinatura de termo de desresponsabilização da clínica por eventuais efeitos colaterais e pagamento da taxa adicional ao convênio (sim, o IPERGS anda assim), fui conduzido a uma nova sala de espera para dilatar as pupilas, onde estaria esperando até agora não fosse o fato de eu ter observado e assinalado, depois de quase uma hora, que ninguém havia dilatado, até então, minhas pupilas. Sem perder a pose o o rebolado, a técnica a quem me dirigi disfarçou, então, seu espanto para prontamente pingar em meus olhos aquele colírio ardente.

Por que não me surpreendo ? Com certeza por acreditar, faz já algum tempo, que a medicina é feita, acima de tudo, de tentativas, erros e estatísticas. Com efeito, boa parte de toda pesquisa acadêmica na área se trata de estabelecer se correlações entre sintomas e comportamentos são ou não, afinal, espúrias. Todo médico e alguns pacientes mais esclarecidos sabem disto. Só que a maioria dos últimos prefere atribuir aos primeiros, provavelmente pela fragilidade da condição da própria doença, um poder e uma onisciência equivalentes aos observados na prática de religiões. O que é perfeitamente compreensível.

A sequência de episódios caóticos acima relatados me fez lembrar de quando consultei um otorrinolaringologista de minha inteira confiança, amigo pessoal, que, ao testar meu limiar auditivo e espantado com a persistência de minha surdez mesmo quando já havia aumentado drasticamente o volume do sinal de teste, ergueu finalmente os olhos de seu painel de controle para, olhando em minha direção pela primeira vez, dizer, com a maior naturalidade e sem denotar qualquer surpresa: ” – Agora, vamos repetir o teste com os fones ! ”

* * *

Lembro que, durante minha infância, era comum bons médicos diagnosticarem quadros exclusivamente a partir de entrevistas com pacientes, aparelhos “primitivos” como estetoscópios e otoscópios (é assim que chamam aquelas canetas com lupas e luzes que nos enfiam nos ouvidos ?) ou, no máximo, um hemograma. Ano passado, fui submetido a uma ressonância magnética (com todos os medos daí decorrentes) tão somente para investigar a origem de uma queixa de dor nas costas. Sem ser contra a tecnologia (muito antes o contrário !), noto que algo na medicina inquestionavelmente mudou. Se para melhor ou pior, me abstenho de opinar.

estetoscópio 1

 

On conducting (x): a formação do regente segundo Teraoka

Um dos grandes privilégios de se tocar numa orquestra como a OSPA é o de ser, ocasionalmente, regido por excelentes maestros convidados. Mais raro, nos encontrarmos em posição de ouvir suas palavras – até por que, quanto melhor o maestro, mais rege e menos fala durante ensaios.

É, pois, natural que nossa curiosidade, nessas raras ocasiões, se volte para questões essenciais que definem o arte e o ofício da regência orquestral. Coisas tais como quais são os pré-requisitos fundamentais da regência, como se dá sua transmissão ou mesmo se mulheres são ou não aptas a seu exercício.

De sorte que, num desses memoráveis encontros, ouvi do grande Kyotaka Teraoka (discípulo de Jorma Panula, reconhecido como um dos maiores didatas da regência orquestral), que, enquanto no Japão é possível se graduar em regência orquestral regendo, predominantemente, dois pianos, na célebre escola finlandesa de regência é exigida de todo aluno não só a proficiência em algum instrumento orquestral mas também a participação como instrumentista na orquestra regida pelos alunos. Como única exceção aos executantes de instrumentos orquestrais, também são admitidos em cursos de regência pianistas excelentes. Concertistas.

Concordando sobre a vantagem de uma boa leitura ao piano e  indagado sobre o nível de proficiência ao teclado necessária a um bom maestro, Teraoka disse considerar suficiente saber lidar com o grau de dificuldade de uma sonata de Beethoven.

Tais limiares de acesso se constituem, a nosso ver, numa barreira considerável à ambição de aventureiros mais atrevidos. Com esperança, paciência e, sobretudo, perseverança, chegamos lá.

DSC_6166 DSC_6168

DSC_6179 DSC_6180 DSC_6187 DSC_6198 DSC_6206 DSC_6214DSC_6216 DSC_6241 DSC_6242 DSC_6267 DSC_6268 DSC_6271 DSC_6285 DSC_6290 DSC_6293 DSC_6295 DSC_6297 DSC_6298 DSC_6300 DSC_6301 DSC_6302 DSC_6303 DSC_6305 DSC_6306