Sobre debates eleitorais em particular e propaganda política em geral

Compartilhe este texto:

debate 3

Quando FHC derrotou Lula em eleições presidenciais (bem antes, portanto, da universalização da internet !), foi naturalmente aceita, como um fato banal, a tese do primeiro de que, na campanha que antecedesse o pleito, os candidatos não precisassem debater ao vivo em redes de rádio e TV – sendo, portanto, suficiente para orientar a escolha dos eleitores a propaganda veiculada por meio de carros de som. Foi nesta época que a extinta Gazeta Mercantil publicou, entre seus editoriais, o primeiro e único texto político que rabisquei décadas antes de cometer um blog, panfletariamente intitulado “Debate Já !”.

De lá para cá, as coisas mudaram bastante, a ponto dos embates entre candidatos em cadeia nacional de TV se tornarem os pontos culminantes de qualquer campanha eleitoral. Sustento, no entanto, que ainda é muito pouco. Nestes debates, a escassez de tempo e o engessamento do formato em perguntas, respostas, réplicas e tréplicas cronometradas impedem ou dificultam tremendamente a argumentação em torno de ideias e princípios que realmente importam em se tratando de escolher governantes e (oxalá não por muito tempo !) representantes parlamentares.

Provavelmente devido a minha baixa expectativa em relação a estes embates, me mantenho sistematicamente alheio aos mesmos – me beneficiando, com isto, da enorme vantagem de deles só ter notícia por meio de comentários sobre os mesmos bem mais qualificados (posto que por membros cuidadosamente selecionados de minha PLN !) do que os próprios debates em si. É como fico sabendo, por exemplo, das excrescências verbais do pastor ou da rinha entre os três favoritos na noite de ontem.

É, pois, pela caduquice dos formatos de peças de campanhas como hoje conhecemos (debates, horário eleitoral gratuito e publicidade paga (midiática, cartazes & santinhos)) que reivindiquei aqui, dias atrás, em tom apenas aparentemente jocoso, a realização obrigatória de reality shows, senão como todos os candidatos (enquanto custos ainda forem proibitivos), então pelo menos com os presidenciáveis.

Por que isto ainda não acontece ? Ora, por que viriam inevitavelmente à tona verdades que implicariam na ruína dos partidos políticos e dos monopólios midiáticos.

debate 5

 

Uma resposta para “Sobre debates eleitorais em particular e propaganda política em geral”

  1. Pois meu caro. Somos dois, então. Não assisto aos debates na TV pelas mesmas razões que as tuas, acrescida de uma: os debates são uma forma de a mídia oligárquica continuar mandando, ou ao menos de tentar manter a influência sobre os resultados. Onde está escrito que devemos ter debates em todas as redes nacionais de TV? Não sei se reality shows seriam uma solução (mesmo que proposta “jocosamente, como dizes), mas que temos que, como eleitores, exigir QUALIDADE na apresentação das propostas, lá isso temos… abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *